Curva da Covid-19 achata após medidas mais rígidas no combate ao vírus


A nova realidade gerada pela pandemia de Covid-19, sentida logo nos primeiros meses com mais intensidade em grandes centros, retardou para chegar em Itaipulândia. O atraso deste impacto deve-se às medidas adotadas pela Secretaria de Saúde e Vigilância Sanitária, antes mesmo que o primeiro caso fosse confirmado.

De março a dezembro, Itaipulândia registrou mais de 410 casos positivos de Coronavírus (Boletim 28/12/2020). Cerca de 3,6% dos 11.385 habitantes (IBGE 2020), foram infectados. Destes, oito pessoas vieram a óbito (1,95% dos casos): quatro homens e quatro mulheres, entre 46 e 83 anos; média de 68 anos. Das vítimas, sete eram portadoras de doenças cardiorrespiratórias ou comorbidades.

Na última segunda-feira (14), o município chegou ao pico da pandemia. Haviam 392 casos positivados, 33 ativos e 27 suspeitos. Dias antes, as equipes da Vigilância Sanitária entregaram mais de 400 cartazes em visita aos comércios, orientando a população e aos empresários sobre o uso obrigatório de máscara e a aplicação de multa no valor de R$1.000,00 segundo Decreto nº 316/2020.

A intensificação na conscientização deu resultado. Na quarta-feira (23), o Boletim Coronavírus registrou apenas quatro pacientes ativos, o menor índice de casos simultaneamente desde o início da pandemia (máximo foi de 33).

“Se a população se manter participativa no combate à Covid-19 vamos frear a velocidade da curva. Nosso objetivo enquanto profissionais de saúde é evitar que mais vidas sejam perdidas para o vírus” – comenta Guilherme da Rosa, enfermeiro da equipe da Vigilância Sanitária.

Neste réveillon, assim como no Natal, a recomendação é de ficar em casa, curtindo em família e com o menor número possível de pessoas. O ano de 2020 jamais será esquecido.

Ver mais notícias